Caminho do Itupava

    
    
    
    
    

:: Localização
:: Mapa Caminho
:: Roteiro Recomendado
:: Camping
:: Estrutura Turística


:: Anhangava
:: Flora e Fauna
:: Calçamento
:: Casa do Ipiranga
:: Estrada de Ferro
:: Véu de Noiva
:: Garganta do Diabo
:: Santuário do Cadeado
:: Marumbi
:: Salto dos Macacos
:: Porto de Cima
:: Prainhas
:: Bóia Cross
:: Morretes
:: Barreado


:: Relatos Históricos
:: Estatísticas
:: Arqueologia








FOTOS
Zig Koch

TEXTOS
Julio Fiori

WEB
Hilton Benke








FOTOS
Zig Koch

TEXTOS
Julio Fiori

WEB
Hilton Benke
      O Caminho    |     Roteiro    |     Atrações    |     História    |     Contato    

Porto de Cima


 

O nome de Porto de Cima caracterizava sua posição topográfica, sendo o último ponto viável a navegação das pequenas canoas que subiam o Rio Nundiaquara. É bem provável que antes da chegada do europeu já era usado pelos índios para esta mesma finalidade e passou a ser permanentemente habitado no período da extração do ouro.

Durante séculos foi o local de união do caminho terrestre do Itupava com o fluvial do Cubatão e por ali passava toda a riqueza produzida no planalto. Em 1723 começou a vigorar o Contrato das Canoas que concedia a um arrendatário o monopólio da navegação comercial até Paranaguá.

Morretes e Porto de Cima atingiram o auge de prosperidade econômica e política entre os anos de 1820 e 1880 quando toda a erva-mate extraída no planalto passava por seus engenhos de soque movidos pela força dos rios antes de serem exportados por Paranaguá. A decadência se iniciou com a chegada da estrada da Graciosa e tornou-se irreversível com a inauguração da ferrovia que tornou mais vantajoso beneficiar o mate em Curitiba. Hoje sobrevive basicamente do turismo.






AltaMontanha.com :: Página Inicial :: O Caminho :: Atrações
História :: Roteiro Recomendado :: Localização
Como Chegar :: Camping :: Contato





® Portal AltaMontanha.com ::: Todos os direitos reservados